O mundo em que vivemos está em constante mudança e evolução, tanto pelo desenvolvimento tecnológico e cientifico, quanto pelas condições humanas de sobrevivência e de novas posturas que temos de assumir diante das mudanças. Diante de tantas modificações aceleradas, o perfil do trabalhador exigido pelas empresas de vários segmentos, mudou consideravelmente.

As organizações modificam-se com rapidez para se ajustarem as exigências da atual economia.
Atualmente não há mais o contrato vitalício entre empregador e empregado, onde as empresas ofereciam pelo menos alguma segurança no emprego em troca de desempenho adequado e algum sinal de fidelidade. As carreiras feitas em uma só empresa se tornam cada vez mais raras e em consequência a isto, as organizações passaram a estimular seus colaboradores para que estes tenham um conhecimento mais amplo e múltiplas habilidades, permitindo-os a atuar em diversos ramos de atividades e áreas de conhecimento.
Diante do surgimento das novas tecnologias, globalização da produção, abertura de economias, internacionalização de capital e as constantes mudanças que afetam o ambiente organizacional, surgem à necessidade de adaptação a tais fatores por parte dos profissionais.
O termo empregabilidade trata-se da capacidade de adequação do profissional às novas necessidades e dinâmicas deste recente mercado de trabalho que se encontra em constante mutação.
Minarelli – um dos autores do Brasil que mais trata deste assunto no Brasil – remete ao termo empregabilidade, a capacidade de um profissional estar empregado, mas muito mais de que isso, à capacidade profissional de ter a sua carreira preparada, através de seus conhecimentos, habilidades e atitudes desenvolvidas intencionalmente em conjunto com as necessidades do mercado de trabalho. Segundo ele, a empregabilidade é sustentada por seis pilares que funcionam em conjunto, sendo estes: adequação vocacional, competência profissional, idoneidade, saúde física e mental, reservas financeiras e fontes alternativas de renda e relacionamentos.
Portanto, a empregabilidade diz respeito à capacidade do indivíduo garantir sua inserção no mercado de trabalho em longo prazo, através de habilidades específicas e ao resultado de um processo de desenvolvimento de carreira que vai dando ao indivíduo competências essenciais, as quais permitem a sua colocação no mercado de trabalho.
 
Como a natureza do emprego transforma-se rapidamente esta capacidade deve necessariamente incluir flexibilidade e inovação do profissional, para acompanhar esta mudança inevitável. Para assegurar a empregabilidade, os profissionais precisam estar aptos do ponto de vista técnico, gerencial e intelectual, humano e social para solucionar com rapidez problemas cada vez mais sofisticados e específicos.
A obtenção de novos conhecimentos, múltiplas habilidades e boa reputação, tornam-se vitais para que o profissional possa oferecer e vender seus serviços e empresariar seus talentos.
Os conceitos de empregabilidade apresentados por diversos autores, leva a entender que o indivíduo é responsável pelo seu autodesenvolvimento e, é fundamental a preocupação pelo desenvolvimento de uma nova estratégia de mudança de postura pessoal e profissional.
Uma pessoa é plenamente empregável quando demonstra capacidade para funcionar com desenvoltura nos ambientes de trabalho. Cabe a cada indivíduo desenvolver suas habilidades e adquirir cada vez mais conhecimentos que lhe agregue vantagem competitiva, para obter um diferencial que atraia as oportunidades de trabalho. Assim, poderá escolher com o que quer trabalhar e onde lhe oferecem maiores vantagens, permitindo a aplicabilidade prática de seus talentos.

Escrito por Equipe Editorial ESSA

1 comentário

  1. […] Você também pode se interessar pelo post: Empregabilidade, o que é? […]

    Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.