A logística reversa, ou logística inversa é a parte da logística que foca no retorno de materiais usados visando o reaproveitamento, ou o descarte apropriado quando não é possível reaproveita-los. Quando uma empresa de serviços logísticos consegue institucionalizar os processos de logística reversa de forma lucrativa, além do retorno financeiro que é instantâneo, ela alcança também a sustentabilidade ambiental.
Esses fatores são muito importantes, tanto para a saúde financeira da empresa, quanto para a sua imagem perante a sociedade, empresas que não investem em medidas sustentáveis são visadas e acabam se tornando inimigas da sociedade.

Por lei, fabricantes de pilhas, eletrodomésticos e eletroeletrônicos são responsáveis pelo curso dos resíduos industriais que provem da fabricação dos mesmos, ou seja, toda vez que você vê este tipo de lixo pelas ruas e estradas, tenha como exemplo de falha dos processos de logística reversa.

No texto de hoje, vamos explicar o que é a logística reversa e seu funcionamento.

Este processo busca compartilhar a responsabilidade ambiental do descarte de materiais e resíduos entre empresas e consumidores, assim, também cabe as empresas buscar participar das etapas de devolução, destinação ambiental correta, e se no caso houver a possibilidade, reciclagem.
Em 2010 foi criada a PNRS, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que define as diretrizes e os princípios relativos a gestão dos resíduos, abordando noções de logística reversa.

Se no conceito clássico de logística, a meta das empresas é zelar pelo transporte de cargas, fazendo-os de forma eficiente e gerando o menor custo possível, na logística reversa, o foco é fazer com que os resíduos retornem para serem reciclados ou, quando não é possível, descartados de forma correta. Pode ser muito benéfico para as empresas adotar a logística reversa e realizar as políticas de reutilização de recursos.

Porém, é importante ressaltar que esses procedimentos são obrigatórios para alguns setores, como no caso de empresas, importadoras, distribuidoras ou vendedoras de pilhas e baterias, eletroeletrônicos e eletrodomésticos e suas peças, pneus, agrotóxicos, óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens e lâmpadas de todos os tipos.

Assim sendo, as empresas que comercializam alguns desses itens devem ter estratégias de recolhimento, o que geralmente incluem postos de coleta etc.

AS ETAPAS DA LOGÍSTICA REVERSA

As etapas da logística reversa são 3 e acontecem tanto na fase de pós-venda, quanto na de pós-consumo, são elas:

  1. A devolução de peças ou embalagens pelo consumidor para a própria loja, distribuidora ou fabricante;
  2. O responsável pela loja é encarregado de remeter a carga para o importador ou fabricante;
  3. Por fim, o importador ou fabricante fica responsável de encaminhar a carga para usinas de reciclagem, reuso ou descarte apropriado.

O PÓS-VENDA
No pós-venda, os produtos retornam a linha de distribuição, independente se foram utilizados ou não, exemplos disso são os recalls, devolução de itens com defeitos de fabricação, avarias provocadas no transporte e erros na emissão dos pedidos.
Dessa forma a empresa precisa dar uma resposta rápida ao cliente e planejar como irá recolher e encaminhar esses produtos. A logística reversa do pós-venda impacta o controle do estoque e em outras estratégias usadas dentro do fluxo de materiais na organização.

O PÓS-CONSUMO
No pós-consumo, o fluxo é corriqueiro. Ele se aplica quando o produto foi utilizado e após o seu uso, descartado. Isso acontece por vários motivos, como por exemplo o fim da vida útil ou o a data de validade de algum produto.

Assim como no pós-venda, as empresas precisam estar aptas para receber esses produtos, e encaminhá-los corretamente. Eles podem ser reciclados, desmembrados, e dessa forma, voltar ao ciclo de produção e consequentemente, voltar ao mercado. Mas, caso não seja viável esse retorno, as empresas devem encaminhá-los para o descarte correto.

COMO APLICAR A LOGÍSTICA REVERSA NA EMPRESA?

A princípio, para que a implementação dos conceitos de logística reversa seja feita de forma correta, é necessário que a empresa conheça bem os conceitos ambientais que devem ser seguidos, bem como a sua cadeia de produção e seus insumos. Dessa forma, será possível elaborar o plano mais eficaz que atenda a todos os produtos ali produzidos, e assim, poder aplicar os procedimentos corretos para a o tratamento dos resíduos.

Fazendo isso, uma empresa pode optar por formas diversas para implementar a logística reversa no seu modo de operação.

A coleta e reutilização são as práticas mais comuns, mas, é preciso deixar claro que a empresa não obrigada a reciclar o seu próprio lixo e reutilizá-lo na linha de produção, cabe a ela apenas garantir que os seus resíduos tenham um descarte correto ou um reuso, sendo dentro da própria empresa ou não.

Uma saída estratégica é ter parcerias com cooperativas de reciclagem de resíduos, por exemplo, uma fabricante de pneus pode fazer o recolhimento dos pneus usados e descartados e encaminhá-los para outra empresa parceira que reaproveite esse material para fazer solas, vedações, etc.

Assim, para aplicar essas ideias com sucesso, você deve considerar alguns aspectos:

  1. POLITICA DE DEVOLUÇÕES E TROCAS
    Estabelecer políticas claras para os clientes saberem como e quando podem devolver ou trocar um produto Considere sempre prazos que respeitem o direito do consumidor.
  2. ATENDIMENTO AO CLIENTE EFICAZ
    Desenvolver um canal de atendimento, como um SAC, que solucione as dúvidas dos clientes a respeito de devoluções e trocas. Esse fator é essencial para uma boa organização e consequentemente, a satisfação dos clientes.
  3. PROTOCOLOS DE RETORNO DE RESIDUOS
    Na mesma medida que as políticas de devoluções e trocas orientam o cliente, o protocolo é voltado para o público interno, o da própria empresa. Os colaboradores também precisam de diretrizes para realizar corretamente ambos os processos.
  4. CONTROLE FINANCEIRO E DE ESTOCAGEM

As políticas de devoluções e trocas impactam os níveis de estoque e fluxo de caixa da empresa, afinal, se houver uma solicitação de devolução, o cliente tem que ser estornado. Assim como nas trocas, a empresa precisa se preparar para ressarcir monetariamente ou dispor de outro produto de imediato para atender ao seu cliente.

Agora que você sabe o que é logística reversa e como aplica-la, é só colocar em pratica esses conceitos para minimizar os impactos do descarte de resíduos no meio ambiente, e assim, melhorar a qualidade de vida de todos!
Gostou de saber o que é logística reversa? Clica aqui e veja mais sobre o nosso curso técnico em logística !

Escrito por Equipe Editorial ESSA

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.