Microagulhamento é o nome dado ao tratamento onde são utilizadas várias pequenas agulhas, de aço cirúrgico e esterilizadas. Geralmente essas agulhas estão dispostas em um rolo que comporta até 200 agulhas para facilitar o procedimento.

Esse aparelho é aplicado na pele, causando pequenas picadas que aumentam a dilatação dos vasos sanguíneos, e consequentemente a absorção de alguns medicamentos que são aplicados diretamente na pele, e estimulam a formação de colágeno.

Este procedimento pode ser muito útil no tratamento de cicatrizes, melasmas(manchas na pele), queimaduras, estrias e envelhecimento. Importante lembrar que o equipamento utilizado no microagulhamento possua registro na ANVISA, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Esse registo certifica a qualidade do equipamento, bem como a qualidade,  número, comprimento e diâmetro corretos das agulhas, a sua esterilização e outras coisas importantes para evitar contaminações.

O procedimento visa estimular a produção do colágeno e da elastina, componentes importantes para a firmeza da pele. A pele quando perfurada nessa técnica tem a sua estrutura celular reorganizada e refeita, reorganizando inclusive as fibras mais internas da pele, podendo reduzindo as rugas, marcas causadas pela acne e outras, trazendo viço natural e firmeza para a área aplicada.

O procedimento do microagulhamento pode ser feito em qualquer lugar do corpo,como por exemplo, rosto, colo, braços, pernas, abdômen, mãos e até no couro cabeludo.

Como é feito o microagulhamento?

A forma correta de conduzir o procedimento é em um consultório, pois, além do próprio procedimento, que abre pequenas ranhuras na pele, ele requer o uso de cremes anestésicos, ou até mesmo de anestesias locais dependendo do diâmetro da agulha utilizada.

A anestesia ou creme anestésico são aplicados entre 30 e 50 minutos antes do procedimento em si começar. As agulhas utilizadas, geralmente dispostas em rolo são feitas de aço cirúrgico ou titânio, com comprimentos que variam entre 0,25 e 3 milímetros, com diâmetro de até 0,8.

As agulhas de 3 milímetros, por exemplo, podem penetrar até 2 milímetros na pele. Quanto mais agulhas tiver no rolo, maior será a penetração das mesmas.

O rolo com agulhas na pele é aplicado com movimentos de vai e vem, entre 10 a 15 passadas por área e em pelo menos 4 cruzamentos na área disposta. O sangramento, que ficou famoso nas imagens relacionadas a este procedimento, varia de acordo com a espessura da agulha e acaba em poucos minutos.

O tipo de agulha e a pressão utilizadas variam de acordo com a área do corpo e o que será tratado. Agulhas mais finas são utilizadas em regiões mais sensíveis, como nas áreas dos olhos, nariz e bochechas, para evitar possíveis hematomas posteriores.

As sessões são intercaladas, e no geral, o procedimento dura até 4 sessões, com um intervalo de um mês entre elas, para a recuperação da pele. E, cada uma dura de 30 minutos a uma hora.

Esse procedimento deve ser feito por profissionais habilitados para tal, dermatologistas, cirurgiões plásticos, fisioterapeutas dermato-funcionais e esteticistas especializados na técnica.

Existem cuidados a serem tomados antes de iniciar o procedimento dependendo do tipo de pele que irá recebe-lo. Pessoas com mais melanina na pele, devem prepara-la com cremes antioxidantes e clareadores um mês antes do microagulhamento, por exemplo. E não usar nenhum tipo de ácido na pele no período entre 48 e 72 horas antes.

Siga sempre as orientações do seu dermatologista.

Os cuidados após a realização do microagulhamento são muito importantes, pois,após o procedimento, a pele apresentará vermelhidão, ardor, inchaço, extra sensibilidade e descamação. O uso de cicatrizantes antibióticos, assim como o uso de água termal serão recomendados pelo dermatologista. Evite sempre o uso de água quente na área que recebeu o tratamento nas primeiras 24 horas e evite mexer também.

É importante ressaltar que, como a pele estará muito sensível, deve-se evitar a exposição solar.

Existem contraindicações no uso do microagulhamento. Por exemplo, pessoas com problemas de coagulação sanguínea, câncer que cause lesões na pele de forma ativa, diabetes não controlada e casos de acne com herpes ativa não podem se expor a esse procedimento.

Pessoas que são propensas a desenvolver queloides, que são cicatrizes volumosas, avermelhadas que podem surgir em qualquer parte do corpo, devem passar por uma avaliação antes de se submeter. O microagulhamento também não é indicado para quem tem psoríase e mulheres gestantes caso haja a necessidade de utilizar algum medicamento, do contrário, se for apenas o uso do rolo, sem anestésicos, não há contraindicações.

Em poucos dias após o procedimento, a pele começará a entrar em processo de descamação, e após a descamação, a textura e o viço natural da pele começam a melhorar. Em 20 dias, a pigmentação da pele melhora e em até 45 dias começa a se notar a redução das rugas.

Hoje falamos um pouco sobre o microagulhamento, procedimento estético que ficou

famoso pelo uso de celebridades e influenciadores digitais.

Gostou de saber mais sobre? Clique aqui e conheça o nosso curso técnico em estética, e o nosso curso livre de microagulhamento.

Escrito por Equipe Editorial ESSA

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.